OS IMPACTOS COM A MUDANÇA DA LEI DO SIMPLES NACIONAL PARA INVESTIDORES ANJOS E STARTUPS

Débora Amâncio, Fernando Junior, igor Amarasco, Ivo Ribeiro, Fabiano Akiyoshi Nagamatsu

Resumo


Atualmente o ambiente empresarial brasileiro vem sofrendo algumas alterações em relação ao mercado de investimentos de risco, e uma dessas alterações foi a da Lei do Simples Nacional, surgindo a indagação: Qual o impacto da mudança do simples nacional para startups e investidores anjos? Assim buscou-se esclarecer os impactos e possíveis benefícios para investidores anjos e startups. Para a composição deste estudo foi efetuada uma pesquisa bibliográfica sobre os tipos, analises, critérios e estágios de investimentos em startup, complementando com a pesquisa de campo onde foram entrevistados investidores anjo para melhor compreensão dos fatos. Os resultados obtidos através das entrevistas foram divididos em três partes: perfil, benefícios, desafios e impactos da lei, considerando que os investidores irão obter uma maior capitação de investimento, recursos para os empreendedores e a segurança jurídica, isso podendo influenciar na visão de crescimento, pelo confronto no processo de investimento.

 

Abstract:

Currently the Brazilian business environment has undergone some changes in relation to the risk investment market, and one of those changes was that of the National Simple Law, raising the question: What is the impact of the change from simple national to startups and angel investors? Thus, it was sought to clarify the impacts and possible benefits for angel investors and startups. For the composition of this study a bibliographic research was done on the types, analyzes, criteria and stages of investments in startup, complementing with the field research where angel investors were interviewed for a better understanding of the facts. The results obtained through the interviews were divided into three parts: profile, benefits and challenges besides impacts of the law. The final considerations have shown that investors will mostly get some kind of benefit from the law, both in raising investment, resources for entrepreneurs and legal security, so that the change of law may influence the growth of investments in the brazilian scenario.


Palavras-chave


investidor anjo; simples nacional; startup; angel investor; national simple law; startup

Texto completo:

PDF

Referências


AFIF, Guilherme. Crescer sem medo vira lei. (Sebrae) Santa Catarina, 2016. Disponível em: . Acesso em: 07 mai. 2016.

BLANK, Steve. Why the lean start-up changes everything. Harvard Business Review, v. 91, n. 5, 2013.

BOTELHO, A. J. J.; DIDIER, D.; RODRIGUEZ, M. V. R. (2006). Impulsionando o Take-off da Inovação no Brasil: O Investidor Anjo. 30º encontro ENANPAD. Salvador, BH, 2006.

BRASIL. Lei complementar 155, de 27 de outubro de 2016. Altera a Lei Complementar no 123, de 14 de dezembro de 2006, para reorganizar e simplificar a metodologia de apuração do imposto devido por optantes pelo Simples Nacional. Brasília, DF, 27 out. 2016. Disponível em: . Acesso em 11 mai. 2017.

BRUSH, C. G.; EDELMAN, L. F.; MANOLOVA, T. S. Ready for funding? Entrepreneurial ventures and the pursuit of angel financing. Venture Capital, v. 14, n. 2/3, p. 111-129, 2012.

BRUTON, G. D.; FILATOTCHEV, I.; CHAHINE, S.; WHIGHT, M. et al. Governance, ownership structure, and performance of IPO firms: The impact of different types of private equity investors and institutional environments. Strategic Management Journal, v. 31, n. 5, p. 491-509, 2010.

CALIXTRE, A.; KREIN, J.; SANTOS, A.; Micro e pequenas empresas, mercado de trabalho e aplicação para desenvolvimento. Rio de Janeiro: IPEIA, 2012.

CALVOSA, M.; Freitas, J. (2008). Angel investidor: empreendedorismo fomentado através de uma nova modalidade de investidor. Revista e cadernos de administração. Ano 1, vol. 1,2.

CAGED / IBGE. Crescer sem medo é aprovado na câmara por unanimidade, 2016. Agencia Sebrae de Notícias, 2016. Disponível em: . Acesso em: 10 mai.2017.

CARDULLO, Mario W., Tchonological Entrepreneurism, Research Studies Press Ltd, Baldock, Herts, 1999.

COSTA, Helder Gomes. Modelo para webibliomining: proposta e caso de aplicação. Revista da FAE, v. 13, n. 1, p. 115-126, 2010.

CLARK, Collin. The impact of entrepreneurs' oral ‘pitch’ presentation skills on business angels' initial screening investment decisions. Venture Capital 10 (3), 2008, p. 257–279.

CNPq.org. Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Brasília, 2016. Disponível em: . Acesso em: 12 mai. 2017.

DORNELAS, José Carlos Assis,1971. Empreendedorismo corporativo / José Carlos Assis Dornelas. – 2.ed. – Rio de Janeiro: Elsevier, 2008, p.165 – 2 reimpressão.

FAPESP.org. Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. São Paulo, 2016. Disponível em: . Acesso em: 12 mai. 2017.

FEENEY, Lisa; HAINES, George; RIDING, Allan. Private investors' investment criteria: insights from qualitative data. Venture Capital: An International Journal of Entrepreneurial Finance 1 (2), 1999, p. 121-145.

FELDMAN, Amy. 25 próximas Startups milionárias para 2015. Forbes Brasil, 2016. Disponível em: . Acesso em: 26 Abr. 2017.

GALLO, Fabricio. Planejamento Territorial E Financiamento Seletivo Do Processo De Renovação Das Materialidades Em São Paulo. A atuação da agência de desenvolvimento paulista – DESENVOLVE SP, 2015 Disponível em: . Acesso em: 08 mai. 2017.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002, 4ª ed. 7ª triagem. p. 41-57.

GITAHY, Yuri. O que é uma startup?. Saiba quais são as características que definem seu tipo peculiar de empreendimento. Revista Exame. São Paulo, 2016. Disponível em: . Acesso em: 27 abr. 2017.

HAAR, Nancy E., STARR, Jennifer, MACMILLAN, Ian C. Informal risk capital investors: investment patterns on the east coast of the USA. Journal of Business Venturing 3, 1988, p.11–29.

HAINES, George H.; MADILL, Judith J.; RIDING, Allan L. Informal investment in Canada: financing small business growth. Journal of Small Business and Entrepreneurship 16 (3/4), 2003, p.13–40.

HERMANSON, Boris. O que é uma start up?. Mundo Sebrae, 2011. Disponível em: < http://www.ifd.com.br/marketing/o-que-e-uma-startup/>. Acesso em: 06 mai. 2017.

KLEPER, João. Os dez investidores anjo de Janeiro. Startapi, 2017. Disponível em: . Acesso em: 26 abr. 2017.

LEAL, Luciano Roberto da Silva. Ferramentas e métodos para validação utilizando customer development e lean startup. Recife: Universidade de Pernambuco, 2013.

LIMA, T. C. S.; MIOTO R. C. T. Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. Revista científica Katálysis, Florianópolis. v.10 n. esp., p.37- 45, 2007.

LONGHI, Fúlvio. A história da revolução das startups. Imasters, 2011. Disponível em: . Acesso em: 27 abr. 2017.

MACMILLAN, Ian C.; KULOW, David M.; KHOLIAN, Roubina. Venture capitalists’involvment in their investments: extent and performance. Journal of Business Venturing 4, 1989, p.27–47.

MALHOTRA, Naresh. Pesquisa de Marketing: foco na decisão. 3ª ed. São Paulo: Pearson, 2010.

MARIANO, Sandra R. H.; Mayer, Verônica Feder. Empreendedorismo e inovação: criatividade e atitude empreendedora. Rio de Janeiro: Fundação CECIERJ, 2008.

MASON, Colin M.; HARRISON, Richard T. The Informal Venture Capital Market in the UK, in: A. Hughes and D. J. Storey (eds) Financing Small Firms, 1994, pp. 64–111. London: Routledge.

MINAYO, Maria Cecilia de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo-Rio de Janeiro, HUCITEC-ABRASCO, 1992.

______. Pesquisa social: teoria método e criatividade. 17ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994. p. 50-80.

______. O desafio do conhecimento. 6. ed. São Paulo: HUCITEC, 2000. P. 269.

______. Ciência, técnica e arte: o desafio da Pesquisa Social. In: ______. (Org.) Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2001, p. 09-30.

RIBEIRO, Priscila C.; BORGES, Luiz. Análise dos impactos gerados por um investimento anjo via indicadores de competitividade em uma startup brasileira do setor de educação. Disponível em: . Acesso em: 09 mai. 2017.

RUIZ, J. A. Metodologia científica: guia para eficiência nos estudos. São Paulo: Atlas, 1976. P. 50.

SCHUMPETER, J. A. Capitalismo, socialismo e democracia. New York: Harper & Row, 1975.

STEDLER, Heinrich; PETERS, Hans Heintich. Busines angels in grmany: in empirical study, venture capital 5 (3), 2003, p. 269-276.

TEYBEE, Tyzoon T.; BRUNO, Albert V. A model of venture capitalist investment activity. Management Science, v.30, 1984, p.1051-66.

WETZEL, William E. Angels and Informal Risk Capital. Sloan Management Review, 24 (4), 23-24, 1983.

WHISH, Richard. Competition law. 4. Ed. Londres: Butherworths. 2001.

ZICA, R.M.F.; MARTINS, H.C. Mecanismos Garantidores de Crédito para Micro e Pequenas empresas: Principais modelos, abordagens Teóricas e Alcance. XXVI Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica. 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista FATEC Sebrae em debate : gestão, tecnologias e negócios.